Com essa confusão nos aeroportos, os ânimos ficaram pra lá de exaltados.
E a coisa piorou quando um voo lotado foi cancelado. Daí puseram uma única funcionária para atender a uma longa fila de passageiros estressados. De repen­te, um passageiro irritado furou a fila até o balcão e disse:
– Eu tenho que estar neste voo!!! A funcionária respondeu:
– Desculpe, terei todo o prazer em aju­dar, mas tenho que atender estas pesso­as primeiro, já que elas também estão aguardando pacientemente na fila.
O passageiro, grosso pra dedéu, gri­ta para que todos na fila ouvissem:
– VOCÊ FAZ ALGUMA IDÉIA DE QUEM EU SOU, MENINA?
Sem hesitar, a funcionária sorriu, pe­gou no microfone anunciando:
– Posso ter um minuto da atenção dos senhores, por favor? (A voz ecoou por todo o terminal). Nós temos aqui no balcão um passageiro que não sabe quem é e deve estar perdido. Se alguém é responsável pelo mesmo, parente, ou então puder ajudá-lo a descobrir a sua identidade, fa­vor comparecer aqui no balcão. Obrigada!